Início / Nutrição / Porque é que toda a gente fala do glúten?

Porque é que toda a gente fala do glúten?

Nos dias de hoje o glúten está no topo de conversas quando falamos em alimentação.

Sabes o que é o glúten?

É apontado como uma das causas de obesidade, má absorção de nutrientes, inchaço, sensação de mau estar e de muitas outras reações.

Todos os dias saem novos artigos em ataque e defesa do glúten, não há um verdadeiro consenso entre os vários profissionais de saúde.

Mas, afinal de contas, é uma questão de moda ou de saúde?

Sabe já aquilo que realmente importa.

O que é o glúten?

questionar

O glúten é uma mistura de proteínas (gliadina e glutenina) naturalmente presentes no endosperma (que é produzido dentro das sementes) de diversos cereais tais como o trigo, centeio, cevada e aveia.

Quando se adiciona água a esses cereais, é formado o glúten que deixará essa “massa” não só mais elástica, mas também mais resistente.

Por isso, esta proteína é a responsável pela elasticidade e desenvolve um papel importante na fermentação de pão, bolos, bolachas e produtos de pastelaria.

Existem várias referências em produtos alimentares acerca da sua presença, pois é considerado um alimento alergénico. Ou seja, potenciador de alergias, intolerâncias e também da conhecida doença celíaca.

O que é ser alérgico e intolerante ao glúten?

A alergia ao glúten ocorre quando se desencadeia uma reação inflamatória autoimune, ou seja, uma reação do sistema imunitário contra si próprio, que acontece quando um indivíduo ingere alimentos que contenham glúten na sua composição.

Esta reação tem consequências para o organismo, tais como a alteração da mucosa intestinal e interferência na absorção de nutrientes.

Existem, no entanto, diversas sensibilidades ao glúten: a doença celíaca – que é uma doença autoimune (reação alérgica), e a intolerância ao glúten – independente da doença celíaca.

A doença celíaca corresponde a uma permanente reação ao consumo de glúten. O aparecimento da doença pode resultar de uma interação com fatores imunológicos, ambientais e genéticos e pode ser diagnosticada através de análise ao sangue ou biopsia.

A intolerância ou sensibilidade ao glúten (associada à dificuldade em digerir o glúten) ocorre aquando da sua ingestão através da manifestação de alguns sintomas gastrointestinais, e melhora quando se elimina este componente da alimentação.

O que pode acontecer a uma pessoa que é alérgica ou intolerante quando consome alimentos que contêm glúten?

No caso da doença celíaca, quando é ingerido glúten, o sistema imunitário entra em rápida resposta decorrendo algumas consequências que se manifestam pelos seguintes sintomas:

  • Diarreia
  • Vómitos
  • Distensão abdominal
  • Flatulência
  • Irritabilidade
  • Obstipação

Na intolerância ao glúten, alguns destes sintomas também podem estar presentes, com principal destaque para o inchaço abdominal, flatulência e alterações intestinais entre diarreia e obstipação.

O que é que um alérgico ou intolerante deve procurar nos rótulos dos produtos?

ler rótulos

A leitura dos rótulos alimentares é extremamente importante para uma escolha equilibrada e consciente de bens alimentares.

No caso de restrições alimentares, a consulta dos rótulos assume uma maior importância, dado que interfere diretamente com questões de saúde e bem-estar.

O principal item a consultar no rótulo é a lista de ingredientes. Não se devem consumir produtos que contenham:

  • Farinha de trigo
  • Farinha de trigo integral
  • Farinha de espelta
  • Farinha de aveia (a menos que seja certificada na isenção de glúten)
  • Cevada
  • Centeio

É também obrigatório a identificação de agentes alergénicos a negrito, desse modo depois da lista de ingredientes é importante consultar a lista de alergénicos.

Finalmente, grande parte dos produtos alimentares isentos de glúten possuem no seu rótulo a referência “gluten free”, sendo uma excelente ajuda na altura da escolha.

Alimentos a evitar e alternativas

O que evitar

evitar

Apesar da lista de alimentos isentos de glúten ser grande, existem muitos alimentos a evitar (a menos que sejam especialmente produzidos sem glúten) tais como:

Pão, massa, bolachas, cereais de pequeno-almoço, tostas, farinhas dos cereais com glúten, todo o tipo de pastelaria, hambúrgueres pré-feitos, panados, filetes de peixe (panados), barrinhas de peixe ou legumes, nuggets, lasanha e pizza.

Para além dos alimentos, há que ter atenção também aos suplementos alimentares, pois podem conter glúten ou vestígios de glúten e, nesse sentido, é necessário ler a sua composição.

Na Zumub podes encontrar uma grande oferta de alimentos suplementos sem glúten.

Alternativas

permitido

Existem alimentos que naturalmente são isentos de glúten, e que, por esse motivo, são uma escolha segura tais como:

  • Fruta
  • Legumes
  • Queijo
  • Iogurte
  • Batata
  • Arroz
  • Frutos secos
  • Bolachas de milho ou arroz
  • Azeite
  • Carne e peixe

Relativamente às farinhas alternativas, podem ser consumidas:

Se não fores intolerante deves restringir o glúten?

Como foi referido acima, alérgicos ou intolerantes ao glúten, devem fazer restrição desta proteína presente em muitos alimentos.

Mas, se não fores um destes casos, deverás restringir ou não?

Bem… tal como referi, não existe um consenso e o mesmo profissional pode ter opções diferentes consoante a pessoa em questão.

Retirar só porque sim, sem ter plena consciência do que está a fazer, não é benéfico. Além disso, muitas vezes cai-se no erro do “gluten free” e nem se presta atenção a outros ingredientes, como a quantidade de açúcar do alimento (como é o caso das bolachas sem glúten).

A isenção de glúten não o torna mais saudável, mas sim mais seguro para quem não se sente confortável em consumir ou que simplesmente não o pode fazer.

Em conclusão

Quer doentes celíacos, quer intolerantes, devem ter consciência de qual o seu grau de intolerância ao glúten e ir conhecendo bem o próprio organismo, ver como é que ele responde aos diferentes estímulos.

Para se ter segurança na preparação alimentar e no consumo de alimentos, é fundamental saber interpretar os rótulos alimentares e fazer escolhas conscientes e equilibradas.

Comments

A informação contida neste artigo diz exclusivamente respeito à opinião do autor.

Acerca de Liliana Silvestre

Liliana Silvestre
Liliana Silveste é nutricionista licenciada em dietética pela ESSLEI. Tem experiência profissional em vários ramos da nutrição e tem uma paixão por cozinha saudável. O seu objetivo é ajudar o máximo de pessoas possível a transformar o seu estilo de vida, ajudando-os a adotando hábitos mais saudáveis.

Ver também...

O papel da nutrição no reforço do sistema imunitário

O sistema imunitário é o sistema de defesa do nosso organismo, que “limpa” e combate ...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *